Alessandro Molon | Deputado federal pelo Rio de Janeiro | Molon assume a coordenação da Frente Parlamentar Ambientalista
29532
post-template-default,single,single-post,postid-29532,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-6.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2,vc_responsive

Molon assume a coordenação da Frente Parlamentar Ambientalista

15 fevereiro, 2017 Molon assume a coordenação da Frente Parlamentar Ambientalista

Um ano de muita luta para evitar retrocessos e garantir avanços. Assim o novo coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, o deputado federal Alessandro Molon (REDE-RJ), classificou a pauta de trabalhos deste ano, ao assumir o cargo, substituindo o deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP). A troca de comando aconteceu nesta quarta-feira, em café da manhã realizado com a presença do ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho (PV – MA), de diversos deputados e de representantes de organizações da sociedade civil. Como pontos de alerta para este ano, segundo Molon, estão o projeto de licenciamento ambiental, a venda de terras para estrangeiros, o duro ataque às unidades de conservação indígena, a PEC do Cerrado, o Projeto de Lei do Mar e o debate sobre os agrotóxicos, entre outros.

Siga @alessandromolon no Twitter
Acompanhe pelo Facebook
Adicione Molon no Instagram

A cerimônia teve início com um balanço apresentado pelo deputado Ricardo Tripoli, que destacou a atuação da Frente Parlamentar Ambientalista no auxílio e fiscalização do desastre de Mariana e da rápida ratificação, pelo Congresso Nacional, do relatório assinado pelo Brasil na COP 21, a cúpula do clima em Paris. Tripoli também ressaltou a importância do panorama feito em relação aos quatro anos do Código Florestal e elogiou a atuação de Molon quando da aprovação da lei.

– O deputado Molon conhece bem o setor. Não tenho dúvidas de que será brilhante sua condução dos trabalhos – disse.

Presidente da Frente de 2015 a meados de 2016, o atual ministro Sarney Filho alertou para o aumento substancial, nos dois últimos anos, do desmatamento da Amazônia. Segundo o ministro, a percepção da falta de fiscalização e controle policial estimulam as ações contra a fauna e a flora, sendo, portanto, necessário “avançar na vertente da sustentabilidade”:

– Precisamos oferecer alternativas econômicas para que possam garantir que a floresta em pé valha mais que a floresta derrubada. Que o tema ambiental tenha valor. Já vimos, em dezembro, uma inversão desta tendência de crescimento do desmatamento.

Café da manhã de abertura dos trabalhos da Frente Parlamentar AmbientalistaA abertura do diálogo com a sociedade civil e o fortalecimento da relação com os governos e as secretarias de estados e municípios são caminhos fundamentais a serem percorridos, na avaliação de Sarney Filho. O ministrou apontou como avanços de sua gestão à frente do ministério a recomposição do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o fechamento da usina termelétrica Candiota e o planejamento de concessões de parques nacionais para prepará-los para o turismo, como em Foz do Iguaçu e em Fernando de Noronha. O ministro garantiu, ainda, que não irá “afrouxar os procedimentos no que diz respeito a esse desastre criminoso que foi promovido em Mariana”.

Em seguida, Molon agradeceu a escolha para coordenar a Frente e disse ser um enorme desafio suceder a ambos, aliados na luta suprapartidária em prol do meio ambiente. O deputado destacou o caráter único deste grupo de trabalho: o peso determinante e decisivo da sociedade.

– Essa é uma forma de fazer política em que nós acreditamos: da sociedade para o poder público, de fora para dentro. Tenho certeza de que essa conformação, que é tão representativa, é o que vai continuar dando a força que a Frente Parlamentar Ambientalista tem.

Como desafios deste ano, Molon citou o licenciamento ambiental, o projeto que versa sobre a venda de terras brasileiras para estrangeiros, a PEC do Cerrado, o debate sobre os agrotóxicos, o PL do Mar, a melhoria do saneamento e a ampliação da energia sustentável.

– A Frente será uma trincheira contra a redução de unidades de conservação indígena. É uma questão do país, uma causa de todos nós – afirmou.

Para Molon, o empenho conjunto será peça-chave para o sucesso das empreitadas deste ano.

– São 5.565 municípios no nosso país. Há muitas cidades para onde levar a nossa luta. Os deputados federais podem assumir o diálogo com as frentes estaduais. Só vamos evitar retrocessos e garantir avanços se fizermos isso juntos – disse, referindo-se ao apoio da Frente Parlamentar Ambientalista dos Vereadores do Brasil, presidida por Eduardo Romero, também presente no café da manhã.

Mario Mantovani, da SOS Mata Atlântica, alertou que temas necessários e urgentes serão tratados na Câmara:

– Se cumprirmos essa pauta, a Frente cumpre seu papel e mostra como a sociedade civil consegue resultados concretos.

Com o tema Fraternidade: biomas brasileiros e a defesa da vida, a Conferência Nacional dos
Olá, tudo bem? Você que nos acompanha sabe que o ano de 2016 tem sido
Uma proposta que viola precedentes do Supremo Tribunal Federal, compromissos internacionais assinados pelo Brasil e
"O Rio de Janeiro acorda de ressaca no dia do seu aniversário de 451 anos.