Alessandro Molon | Deputado federal pelo Rio de Janeiro | Molon representa contra forças policiais que reprimiram manifestações no Rio
29637
post-template-default,single,single-post,postid-29637,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-6.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.4,vc_responsive

Molon representa contra forças policiais que reprimiram manifestações no Rio

04 maio, 2017 Molon representa contra forças policiais que reprimiram manifestações no Rio

Molon entrou, no dia 2 de maio, com uma representação no Ministério Público Federal para que seja apurada a responsabilidade das autoridades pela violência praticada contra a população do Rio de Janeiro na Greve Geral do último dia 28 de abril.

Siga @alessandromolon no Twitter
Acompanhe pelo Facebook
Adicione Molon no Instagram

De acordo com o documento, protocolado na da sede do MPF em Brasília, “homens, mulheres, idosos e famílias que estavam nas ruas do Centro do Rio de Janeiro apenas para cobrar, na praça pública, o respeito a seus direitos acabaram tendo violado mais um direito democrático: a sua liberdade de manifestação”.

Molon relata que a farta quantidade de bombas de efeito moral utilizadas pelas forças policiais na praça da Cinelândia deixou uma nuvem de gás que tomou conta do local, forçando a dispersão dos trabalhadores que tentavam expressar repúdio contra as reformas do governo Temer.

Apesar da truculência policial, Molon conta que tentou abrir um canal de diálogo com responsáveis pelas agressões, mas foi ignorado. Ao se aproximar para ponderar pelo fim da violência, os policiais deram as costas e deixaram o local com as armas em mãos prontos para atacarem novamente.

Após algum tempo, as pessoas voltaram a se reunir para dar continuidade à manifestação e o ato pacífico foi retomado. Tudo transcorria bem quando a polícia fez nova investida contra a população. Desta vez, de forma mais violenta. Novas bombas foram atiradas contra a multidão causando pânico e muita correria.

Os acessos à Cinelândia foram bloqueados pelos carros de polícia e a medida que as pessoas tentavam fugir eram surpreendidas com mais bombas e balas de borrachas. Nem mesmo as lideranças políticas e os organizadores do ato foram poupados da repressão dos policiais.

O pedido de Molon explicita que mesmo com um pequeno grupo de pessoas se aproveitando da manifestação para praticar atos de vandalismo, como foi alegado, não justificaria a agressão generalizada contra a multidão que se manifestava de forma pacífica.

Clique aqui para ver a representação.

Confira a fala de Molon durante o ato:

Com o tema Fraternidade: biomas brasileiros e a defesa da vida, a Conferência Nacional dos
Uma comissão especial da Câmara dos Deputados começou a analisar nesta quinta-feira (9) a proposta
Olá, tudo bem? Você que nos acompanha sabe que o ano de 2016 tem sido